Ao longo dos anos, nós aprimoramos a nossa maneira de exercer um impacto positivo no desenvolvimento econômico. Nós acreditamos que esse impacto faz com que as pessoas queiram se juntar a nós porque impacto cria valor. Empresas que criam valor o fazem para os mercados dos quais elas participam, para os seus acionistas e funcionários.

Nós acreditamos que a indústria de pagamentos eletrônicos exerce um impacto profundo no desenvolvimento econômico. Pagamentos eletrônicos ajudam na inclusão financeira, trazem segurança às pessoas cuja única alternativa é carregar dinheiro vivo e ajudam a previnir vários tipos de crime, tais como sonegação de impostos e lavagem de dinheiro.

Um bom exemplo disso é o caso da PagSeguro, cujo modelo de negócios disponibilizou pela primeira vez o pagamento eletrônico a milhões de pequenos comerciantes. O mercado recompensou esse impacto com mais de 7 bilhões de reais gerados pela Oferta Pública Inicial da empresa.

O mercado de pagamentos está passando por grandes mudanças que são frequentemente atribuídas a novas tecnologias, tais como o blockchain e a biometria, entre outras. No entanto, quanto mais a Captalys trabalha com empresas de pagamento, mais nos damos conta de que as mudanças na indústria têm mais a ver com a transformação dos pagamentos de um negócio operacional e de baixo valor agregado para uma plataforma estratégica com o potencial de adicionar um valor enorme aos seus usuários.

É evidente também que as empresas de pagamentos eletrônicos que mais se destacam no mercado não são necessariamente as mais focadas em novas tecnologias e sim, as que focam naquilo que torna a indústria tão atrativa: o seu impacto. Estas empresas utilizam a tecnologia para levar aos seus clientes produtos e serviços projetados especialmente para as suas necessidades e que levam em consideração as suas realidades econômicas específicas. Com base nisso, essas empresas de pagamentos têm se posicionado no centro de um novo ecossistema no futuro do comércio.

Partindo desse pressuposto, é fácil entender a proliferação de serviços de valor agregado oferecidos pelas empresas de pagamentos, tais como e-wallets, sistemas de reconciliação, software de contabilidade, PDVs customizados para negócios específicos e mais recentemente, o crédito, que ainda está no seu estágio inicial no Brasil através de iniciativas como o Mercado Crédito, lançado pelo Mercado Pago (uma subsidiária do Mercado Livre). Nesse contexto, podemos ir além e afirmar que o futuro dos pagamentos não se trata do futuro dos pagamentos e sim, de pagamentos futuros.

Se levarmos em conta que as empresas de pagamento mais bem-sucedidas são aquelas que criam o maior impacto para os seus clientes, imagine o impacto que essas empresas teriam se facilitassem não somente os pagamentos feitos hoje, mas também amanhã, depois de amanhã, no próximo mês ou até mesmo no ano que vem…. O impacto disso seria exponencial.

É por um bom motivo que as empresas de pagamentos estão mais focadas em pequenas e médias empresas, já que estas representam mais de 95% dos negócios no Brasil, geram mais da metade do PIB e empregam mais de 50% da população. Por isso, é difícil acreditar que hoje 53% das PMEs não têm acesso a crédito no Brasil, segundo um estudo recente da McKinsey & Co.. Das 47% que têm algum tipo de acesso, quase metade é através de crédito por conta a descoberto, de acordo com o Datafolha.

Na Captalys, nós acreditamos que o crédito é um bem comum e uma força de desenvolvimento social e econômico. Desde 2010, investimos o nosso capital financeiro, humano e tecnológico para aumentar o fluxo de crédito na economia real. Por isso, estamos empenhados em ajudar empresas de pagamentos a multiplicar o seu impacto através da incorporação, nos seus ecossistemas de pagamento, de produtos de crédito especialmente criados para as realidades culturais, sociais e econômicas dos seus clientes.

Juntos, nós podemos exercer um impacto ainda maior. Juntos, nós podemos criar muito mais valor.