Apenas recentemente a dívida privada começou a ser considerada como uma categoria de ativo – e esse termo cobre uma vasta gama de estilos e estratégias de investimento diferentes. O termo “dívida privada” costuma ser utilizado para descrever investimentos em dívida que não são financiados por bancos e que não são emitidos ou negociados em um mercado aberto, enquanto que a palavra “privada” se refere ao instrumento de investimento propriamente dito e não necessariamente ao tomador – ou seja, tanto empresas públicas quanto privadas podem tomar emprestado via dívida privada. A dívida privada se enquadra em uma categoria de empréstimos mais ampla chamada de ‘dívida alternativa’ ou ‘crédito alternativo’, e se aplica tanto a ‘empréstimos diretos’ quanto ‘empréstimos privados’ e ‘crédito privado’.

No mercado da dívida privada, assim como os bancos, os investidores também emprestam para entidades receptoras de investimentos – sejam elas grupos corporativos, subsidiárias ou entidades com fins específicos criadas para financiar projetos ou ativos específicos. Investimentos em dívida privada geralmente são utilizados para financiar a expansão de empresas, para formar capital de giro ou financiar projetos de infraestrutura ou incorporação imobiliária.

Figura 1: comparativo entre dívida pública e outras categorias de ativos

figure 1

Figura 2: perfis de retorno de risco das diferentes estratégias de investimento

Fonte: IHS Markit (2017) The Rise of Private Debt

figure 2

Status do mercado de dívida privada

O mercado global cresceu consideravelmente devido a fatores de oferta e demanda.

Fatores de Oferta

Através da desalavancagem, os bancos reduziram o volume de empréstimo (principalmente para pequenas empresas) para cumprir os requisitos de regulamentação de capital da UE, causando uma limitação nas fontes de capital.

Consequentemente, empréstimos diretos se tornaram mais atrativos para os investidores, já que os rendimentos tendem a ser mais altos do que os da dívida pública e seus termos mais flexíveis permitem que os pagamentos de juros sejam baseados em índices.

Fatores de Demanda

Investidores buscam aumentar seus ganhos em meio a taxas de juros superbaixas.

Investidores buscam diversificar em relação às categorias de ativos tradicionais.

Investidores buscam taxas de juros variáveis como proteção contra taxas ascendentes.

A economia global em recuperação aumentou consideravelmente a demanda por parte das empresas para (re)financiar empréstimos para expansão.

Figura 3: relação entre empréstimos alavancados bancários e não bancários entre 1994 e 2012

Fonte: S&P Capital IQ LCD

figure 3

Estima-se que o volume total de ativos institucionais sob gestão alocados para a dívida privada globalmente é de US$638 bilhões, sendo que os EUA e a Europa são os dois principais mercados de dívida privada no mundo. O mercado estadunidense é maior e mais maduro que o europeu (que é predominantemente composto por emissores britânicos e franceses).

Cerca de US$107 bilhões em novo capital foram captados por fundos de dívida privada em 2017 no mundo todo, dos quais US$67 bilhões foram captados por fundos nos EUA, US$33 bilhões por fundos na Europa e USD$6 bilhões por fundos na Ásia5. No resto do mundo– em especial na Alemanha e nos Países Nórdicos – os bancos ainda dominam o mercado de crédito por motivos históricos e/ou regulatórios.

Figura 4: crescimento de ativos de capital privado sob gestão por categoria de ativo entre 2007 e 2017

Fonte: Preqin (2018) 2018 Preqin Global Private Debt Report

figure 4

Os investidores mais ativos no mercado de dívida privada são fundos de pensão, fundações, fundos de dotação e seguradoras (ver Figura 5). Os setores com maior probabilidade de atrair as maiores verbas por parte dos investidores nos próximos 12-24 meses (com base no 4T-2017) são ativos reais como infraestrutura e imóveis comerciais, seguidos por empresas de capital privado (ver Figura 6).

Figura 5: detalhamento dos investidores participantes no mercado de dívida privada

Fonte: Preqin Private Debt Spotlight Março 2018

figure 5

Figura 6: expectativas dos fundos de dívida privada para os setores que atrairão os níveis mais altos de investimento por parte dos fundos de dívida privada.

Fonte: Intertrust (2018) Changing Tides: Global Private Debt Market em 2018.

figure 6